psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2
psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2
psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2

Como enfrentar conflitos com as pessoas de modo assertivo

Como enfrentar conflitos com as pessoas de modo assertivo

As pessoas pensam, sentem e agem de modo diferente. Por isso, é inevitável que em determinados momentos ocorra um conflito entre você e os outros. Nesses momentos, a maioria das pessoas ou fica numa atitude passiva, engolindo tudo e desrespeitando a si mesmo, ou então cai no outro extremo, impondo de modo agressivo suas opiniões numa postura hostil.

Quem age de modo submisso está tentando a todo custo evitar conflito. Quando seu comportamento é passivo, você coloca os desejos e necessidades dos outros bem à frente dos seus. Você coloca os outros em posição de fazer escolhas por você e/ou tirar vantagem da sua pessoa. Tudo tem um preço, e o custo desse comportamento é uma baixa na autoestima, perda do autorrespeito e da dignidade.

Já quem tende à agressividade está claramente tentando obter o controle ou poder na situação. Quando seu comportamento se torna agressivo, você expressa suas necessidades de maneira hostil, sem tato, com rancor. Sua necessidade imediata de controle e poder pode até ser satisfeita, mas em geral as pessoas mais cedo ou mais tarde irão responder também de modo hostil, resistindo a cooperar por todos os meios que dispuser. E mesmo que isso não aconteça, pessoas agressivas em geral são evitadas, o que acaba tornando-as bastante isoladas.

Um terceiro modo de enfrentar um conflito é adotando uma postura chamada de comportamento passivo-agressivo, que em bom português significa adotar comportamento birrento ou manipulativo.

Para pessoas que não se acham capazes de enfrentar diretamente o problema, ou melhor, de expressar de modo correto suas necessidades, uma saída pode ser ficar amuado, de mau humor, transmitindo seu descontentamento e ressentimento por exemplo calando-se e ficando emburrada, transmitindo o descontentamento de maneira indireta com um péssimo humor e irritabilidade, esperando que com isso a pessoa se sinta culpada ou preocupada, e desse modo mude ou aceite suas necessidades em troca de uma cooperação de sua parte.

Diferentemente desses modos de enfrentar as dificuldades, que na maioria das vezes acaba dando origem a mais problemas, existe a alternativa de ser assertivo, que de modo resumido é um meio termo entre ceder ou destruir, entre a passividade e a agressão, ente engolir ou agredir. É uma maneira de relacionar-se permitindo resolver conflitos de modo a conseguir satisfazer as necessidades pessoais e a dos outros.

Em contraste com os outros comportamentos, ser assertivo envolve reconhecer a necessidade do outro, aceitando ou dizendo não de uma maneira simples, clara, não manipulativa. Você comunica suas necessidades e sentimentos de maneira honesta e direta, mantendo respeito e consideração pelo outro.

Isso significa relacionar-se sem nunca fazer uma leitura da mente da outra pessoa, sem inferir as intenções, mas simplesmente reconhecer as necessidades e direitos do outro, expor as suas e tentar chegar a um meio termo que satisfaça a todos.

Considere por exemplo uma mãe ou um pai que entra no quarto do filho adolescente e já perde a paciência dizendo coisas como “será que você não consegue ser organizado? Será que não dá para ter um pouco de consideração e respeito? Já pedi milhões de vezes para você guardar sua roupa no armário.”

O conteúdo do que se falou pode estar totalmente correto, o quarto está quase sempre uma bagunça, mas a falha está no modo como foi comunicado, na falta de assertividade.

Uma conversa que não seja nem agressiva e nem passiva teria como início algo como: “sei que você tem coisas bem mais interessantes para fazer que ficar arrumando seu quarto, mas quando você deixa as roupas para fora isso acaba por me obrigar a guardá-las, o que não é justo, já que tenho também coisas para fazer. Por isso, gostaria que você guardasse as suas roupas dentro do armário antes de sair de casa. Com isso todos ficaremos felizes e você poderá ir cuidar de coisas mais interessantes.”

Claro que a vida não é tão simples assim, que a conversa possivelmente ainda continue com mais alguns conflitos a serem resolvidos, mas o importante é que não aconteceu uma briga logo de saída, que se abriu as portas para a negociação.

A vida não é como um jogo de futebol, onde quando um time ganha o outro necessariamente perde. Aprender a relacionar-se de um modo em que todos ganhem infelizmente ainda não é ensinado de modo consistente nas escolas, mas esse não é um motivo para se desistir facilmente diante do desafio de resolver conflitos com a maior harmonia possível.

Afinal, quem sai de casa pela manhã e espera não ter dificuldades no relacionamento com pessoas durante o dia, ou acredita que não irá encontrar ninguém pela frente, ou já conhece bem os princípios da assertividade.

Cyro Masci é médico psiquiatra em São Paulo e atua com abordagem médica, que une a medicina convencional com diversas formas de tratamento não convencionais. Saiba mais em https://linktr.ee/cyromasci .

 

Dr Cyro Masci - autor 1
Autor: Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738
Psiquiatria Integrativa

Como enfrentar conflitos com as pessoas de modo assertivo

Como enfrentar conflitos com as pessoas de modo assertivo

As pessoas pensam, sentem e agem de modo diferente. Por isso, é inevitável que em determinados momentos ocorra um conflito entre você e os outros. Nesses momentos, a maioria das pessoas ou fica numa atitude passiva, engolindo tudo e desrespeitando a si mesmo, ou então cai no outro extremo, impondo de modo agressivo suas opiniões numa postura hostil.

Quem age de modo submisso está tentando a todo custo evitar conflito. Quando seu comportamento é passivo, você coloca os desejos e necessidades dos outros bem à frente dos seus. Você coloca os outros em posição de fazer escolhas por você e/ou tirar vantagem da sua pessoa. Tudo tem um preço, e o custo desse comportamento é uma baixa na autoestima, perda do autorrespeito e da dignidade.

Já quem tende à agressividade está claramente tentando obter o controle ou poder na situação. Quando seu comportamento se torna agressivo, você expressa suas necessidades de maneira hostil, sem tato, com rancor. Sua necessidade imediata de controle e poder pode até ser satisfeita, mas em geral as pessoas mais cedo ou mais tarde irão responder também de modo hostil, resistindo a cooperar por todos os meios que dispuser. E mesmo que isso não aconteça, pessoas agressivas em geral são evitadas, o que acaba tornando-as bastante isoladas.

Um terceiro modo de enfrentar um conflito é adotando uma postura chamada de comportamento passivo-agressivo, que em bom português significa adotar comportamento birrento ou manipulativo.

Para pessoas que não se acham capazes de enfrentar diretamente o problema, ou melhor, de expressar de modo correto suas necessidades, uma saída pode ser ficar amuado, de mau humor, transmitindo seu descontentamento e ressentimento por exemplo calando-se e ficando emburrada, transmitindo o descontentamento de maneira indireta com um péssimo humor e irritabilidade, esperando que com isso a pessoa se sinta culpada ou preocupada, e desse modo mude ou aceite suas necessidades em troca de uma cooperação de sua parte.

Diferentemente desses modos de enfrentar as dificuldades, que na maioria das vezes acaba dando origem a mais problemas, existe a alternativa de ser assertivo, que de modo resumido é um meio termo entre ceder ou destruir, entre a passividade e a agressão, ente engolir ou agredir. É uma maneira de relacionar-se permitindo resolver conflitos de modo a conseguir satisfazer as necessidades pessoais e a dos outros.

Em contraste com os outros comportamentos, ser assertivo envolve reconhecer a necessidade do outro, aceitando ou dizendo não de uma maneira simples, clara, não manipulativa. Você comunica suas necessidades e sentimentos de maneira honesta e direta, mantendo respeito e consideração pelo outro.

Isso significa relacionar-se sem nunca fazer uma leitura da mente da outra pessoa, sem inferir as intenções, mas simplesmente reconhecer as necessidades e direitos do outro, expor as suas e tentar chegar a um meio termo que satisfaça a todos.

Considere por exemplo uma mãe ou um pai que entra no quarto do filho adolescente e já perde a paciência dizendo coisas como “será que você não consegue ser organizado? Será que não dá para ter um pouco de consideração e respeito? Já pedi milhões de vezes para você guardar sua roupa no armário.”

O conteúdo do que se falou pode estar totalmente correto, o quarto está quase sempre uma bagunça, mas a falha está no modo como foi comunicado, na falta de assertividade.

Uma conversa que não seja nem agressiva e nem passiva teria como início algo como: “sei que você tem coisas bem mais interessantes para fazer que ficar arrumando seu quarto, mas quando você deixa as roupas para fora isso acaba por me obrigar a guardá-las, o que não é justo, já que tenho também coisas para fazer. Por isso, gostaria que você guardasse as suas roupas dentro do armário antes de sair de casa. Com isso todos ficaremos felizes e você poderá ir cuidar de coisas mais interessantes.”

Claro que a vida não é tão simples assim, que a conversa possivelmente ainda continue com mais alguns conflitos a serem resolvidos, mas o importante é que não aconteceu uma briga logo de saída, que se abriu as portas para a negociação.

A vida não é como um jogo de futebol, onde quando um time ganha o outro necessariamente perde. Aprender a relacionar-se de um modo em que todos ganhem infelizmente ainda não é ensinado de modo consistente nas escolas, mas esse não é um motivo para se desistir facilmente diante do desafio de resolver conflitos com a maior harmonia possível.

Afinal, quem sai de casa pela manhã e espera não ter dificuldades no relacionamento com pessoas durante o dia, ou acredita que não irá encontrar ninguém pela frente, ou já conhece bem os princípios da assertividade.

Cyro Masci é médico psiquiatra em São Paulo e atua com abordagem médica, que une a medicina convencional com diversas formas de tratamento não convencionais. Saiba mais em https://linktr.ee/cyromasci .

 

Dr Cyro Masci - autor 1
Autor: Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738

Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738

otorrino em florianopolisComo enfrentar conflitos com as pessoas de modo assertivo

OUTROS DESTAQUES

Go to Top