psiquiatra em sao paulo - logo 100-2

Síndrome de Burnout: 8 sinais e alertas do esgotamento profissional

Embora não existam pesquisas definitivas sobre o número de acometidos, é possível estimar que algo em torno de 30% da população adulta e que trabalha sofra de Burnout. Isso se forem consideradas também as fases iniciais do problema.

Estudos divulgados recentemente, como o realizado pelo instituto Kantar Inclusion Index, com avaliação de 18 mil funcionários de 14 países, inclusive o Brasil, a pesquisa revelou que 29% dizem sentir sintomas ligados ao problema, como fadiga avassaladora ou perda de energia.

Além das perdas financeiras de difícil estimativa, o grande sofrimento de quem padece da síndrome de Burnout leva à necessidade de conhecer os principais sinais e sintomas. Quanto mais precoce a busca para tratamento especializado, melhores as chances de recuperação.

Oito sinais e alertas indicativos de Burnout:

1. Grande cansaço e exaustão emocional, que parecem não melhorar com repouso habitual. Além necessidade de maior esforço para realizar as atividades profissionais, com dificuldade para permanecer engajado no trabalho, ocorre a exaustão emocional, que é um estado de sentir-se drenado nas energias, sem força, motivação ou esperança de tomar as rédeas da própria vida e seguir em frente.

2. Pessimismo, irritabilidade e cinismo são sinais precoces de Burnout. Na verdade, trata-se de uma reação automática do cérebro. É como se ele tentasse reduzir o volume de desafios. Assim, o cérebro modifica o estado de humor, que passa a ser irritadiço, ‘pavio curto’, de baixa tolerância numa tentativa automática e inconsciente de afastar as pessoas e situações que estão provocando ou agravando a sobrecarga.

3. Perda do foco e concentração. Esse sintoma de Burnout pode se revelar ao se gerenciar várias tarefas, ou ainda apenas quando a pessoa enfrenta aumento na pressão, por exemplo, diante de expectativas crescentes no desempenho.

4. Queda na motivação. O que antes eram situações desafiantes tornam-se problemas chatos, irritantes e sem sentido. Há uma queda no prazer que o trabalho oferecia. É comum, por exemplo, a experiência de sentir grande desânimo aos domingos, e não se trata da melancolia por acabar o dia de repouso. O motivo principal, e muitas vezes oculto, é a preocupação ou temor de enfrentar uma nova semana de trabalho.

5. Mudança nos hábitos de sono. O Burnout pode afetar o sono de duas maneiras. Uma é dificuldade em adormecer devido à preocupação sobre as necessidades do trabalho no dia seguinte. E o cansaço pode ser tanto que o acometido procura a cama tão logo chegue em casa. A exaustão também torna muitas vezes difícil levantar da cama e encarar mais um dia de trabalho.

6. Dores e mal-estar. Pesquisas recentes indicam que muitas queixas corporais podem estar relacionadas ao Burnout, como dores de cabeça, no estômago ou desarranjo intestinal. Pode ocorrer ainda mudança na pressão arterial ou desencadeamento de doenças como diabetes.

7. Perda ou redução no prazer no trabalho. Qualquer pessoa envolvida com um trabalho que considere gratificante, realizador, sente satisfação quando metas são atingidas, quando soluções são encontradas, celebrando e sendo cumprimentado pelo bom trabalho. O Burnout solapa o senso de realização pessoal, e quem sofre seus efeitos pode sentir-se insatisfeito, infeliz mesmo, apesar do sucesso.

8. Queda na produtividade. A capacidade de realizar o trabalho cai muito, ou exige um enorme esforço para manter a mesma capacidade que tinha antes do Burnout se instalar. E, para complicar, muitas pessoas nesse estado tentam superar o problema trabalhando mais duro, mais horas, com mais afinco, o que só aumenta a sobrecarga e piora o Burnout.

Quando buscar ajuda para o Burnout

Embora a síndrome de Burnout seja uma enfermidade relacionada ao trabalho, é preciso diferenciar a exaustão que acontece por causa do trabalho da fadiga que pode acontecer no ambiente de trabalho, sem que a atividade seja, necessariamente, a causa principal.

Independentemente da origem, a exaustão não deve ser atribuída como uma consequência óbvia ao estresse. A partir da instalação do Burnout, ocorre comprometimento de vários sistemas de autorregulação do organismo que exigem auxílio externo.

Estresse não é o mesmo que esgotamento profissional, e se há suspeita de Burnout, é hora de procurar profissionais especializados para diagnosticá-lo corretamente e indicar tratamentos que devem ir além dos sintomas, abarcando os diversos fatores que dão origem ao problema.

Outras informações: https://linktr.ee/cyromasci

Também em https://www.infovital.com.br/artigo/sindrome-de-burnout-8-sinais-e-alertas-do-esgotamento-profissional 

OUTROS DESTAQUES

Clínica Legalizada

RT: Dr. Cyro Masci
CREMESP:39126 RQE:9738

clinica de psiquiatria em SP - selo certificado MED-BR

Informações de Contato

R. Tabapuã 41, cj 88 – Itaim Bibi – S. Paulo – SP
Telefone: (11) 5041-0996
Whatsapp: agendamento pelo whatsapp(11) 97641-5065
Estacionamento com manobrista
Localização no Google localização no mapa

1998 – 2021 © Dr. Cyro Masci | CREMESP: 39126 | RQE CFM: 9738 • Médico Psiquiatra

Go to Top