psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2
psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2
psiquiatra - dr cyro masci - logo transparente 2

Avanço na psiquiatria: identificados 6 tipos de depressão

Avanço na psiquiatria: identificados 6 tipos de depressão

A ciência médica continua avançando, e a psiquiatria está na vanguarda dessas inovações, trazendo novas esperanças para diagnósticos mais precisos e tratamentos mais eficazes. Em um estudo recente realizado pela Universidade de Stanford, publicado na revista Nature Medicine em 17 de junho de 2024, uma equipe de pesquisadores identificou seis “biotipos” distintos de depressão e ansiedade.

Cada biotipo foi definido por perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais. Esta descoberta é um passo crucial para a psiquiatria de precisão, que busca personalizar o tratamento para cada paciente com base em suas características biológicas individuais.

Esses biotipos foram determinados a partir de perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais, tanto em repouso quanto durante a realização de tarefas cognitivas e emocionais. A pesquisa envolveu 801 adultos diagnosticados com depressão e ansiedade, que passaram por ressonâncias magnéticas funcionais (fMRI) para medir a atividade cerebral.

Por que essa descoberta é importante?

A depressão é uma doença altamente heterogênea, o que significa que os pacientes podem apresentar sintomas diferentes e responder de maneiras variadas aos tratamentos. Atualmente, cerca de 30% dos pacientes com depressão maior são resistentes ao tratamento, e aproximadamente metade dos pacientes com transtorno de ansiedade generalizada não respondem às terapias de primeira linha. Esse cenário leva a um ciclo de tentativas e erros, que é demorado, caro e frustrante tanto para pacientes quanto para médicos.

Os seis biotipos de depressão

Os pesquisadores de Stanford identificaram seis biotipos clínicos distintos de depressão e ansiedade. Cada biotipo é caracterizado por perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais, medidos tanto em repouso quanto durante a execução de tarefas. Estes biotipos preveem a resposta a diferentes intervenções farmacológicas e comportamentais. Por exemplo:

  • Biotipo com superatividade nas regiões cognitivas do cérebro: Pacientes com este biotipo responderam melhor a certos tipos de antidepressivo.
  • Biotipo com altos níveis de atividade em repouso em três regiões associadas à depressão e à resolução de problemas: Estes pacientes tiveram melhor resposta à terapia comportamental.
  • Biotipo com baixos níveis de atividade em repouso no circuito de controle da atenção: Pacientes com este biotipo tiveram menor melhora dos sintomas com a terapia comportamental.

Os biotipos também correlacionam-se com diferenças nos sintomas e no desempenho em tarefas. Por exemplo, indivíduos com regiões cognitivas do cérebro superativas apresentaram níveis mais altos de anedonia (incapacidade de sentir prazer) e pior desempenho em tarefas de função executiva.

Avanços e desafios

Essas descobertas fornecem uma compreensão mais profunda das bases neurobiológicas da depressão e ansiedade e podem levar a diagnósticos mais precisos e tratamentos mais personalizados. Contudo, os próprios pesquisadores reconhecem que ainda há um caminho a percorrer até que essas técnicas sejam amplamente aplicadas na prática clínica.

Embora a pesquisa ainda esteja em andamento, os resultados trazem esperança para um futuro em que o tratamento da depressão e da ansiedade será mais preciso e eficaz. Esta pesquisa representa um passo significativo em direção a um futuro em que os tratamentos para depressão e ansiedade sejam ainda mais eficazes e personalizados, reduzindo a necessidade de um processo de tentativa e erro e aumentando as chances de remissão dos pacientes.

Dr Cyro Masci - autor 1
Autor: Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738
Psiquiatria Integrativa

Avanço na psiquiatria: identificados 6 tipos de depressão

Avanço na psiquiatria: identificados 6 tipos de depressão

A ciência médica continua avançando, e a psiquiatria está na vanguarda dessas inovações, trazendo novas esperanças para diagnósticos mais precisos e tratamentos mais eficazes. Em um estudo recente realizado pela Universidade de Stanford, publicado na revista Nature Medicine em 17 de junho de 2024, uma equipe de pesquisadores identificou seis “biotipos” distintos de depressão e ansiedade.

Cada biotipo foi definido por perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais. Esta descoberta é um passo crucial para a psiquiatria de precisão, que busca personalizar o tratamento para cada paciente com base em suas características biológicas individuais.

Esses biotipos foram determinados a partir de perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais, tanto em repouso quanto durante a realização de tarefas cognitivas e emocionais. A pesquisa envolveu 801 adultos diagnosticados com depressão e ansiedade, que passaram por ressonâncias magnéticas funcionais (fMRI) para medir a atividade cerebral.

Por que essa descoberta é importante?

A depressão é uma doença altamente heterogênea, o que significa que os pacientes podem apresentar sintomas diferentes e responder de maneiras variadas aos tratamentos. Atualmente, cerca de 30% dos pacientes com depressão maior são resistentes ao tratamento, e aproximadamente metade dos pacientes com transtorno de ansiedade generalizada não respondem às terapias de primeira linha. Esse cenário leva a um ciclo de tentativas e erros, que é demorado, caro e frustrante tanto para pacientes quanto para médicos.

Os seis biotipos de depressão

Os pesquisadores de Stanford identificaram seis biotipos clínicos distintos de depressão e ansiedade. Cada biotipo é caracterizado por perfis específicos de disfunção em circuitos cerebrais, medidos tanto em repouso quanto durante a execução de tarefas. Estes biotipos preveem a resposta a diferentes intervenções farmacológicas e comportamentais. Por exemplo:

  • Biotipo com superatividade nas regiões cognitivas do cérebro: Pacientes com este biotipo responderam melhor a certos tipos de antidepressivo.
  • Biotipo com altos níveis de atividade em repouso em três regiões associadas à depressão e à resolução de problemas: Estes pacientes tiveram melhor resposta à terapia comportamental.
  • Biotipo com baixos níveis de atividade em repouso no circuito de controle da atenção: Pacientes com este biotipo tiveram menor melhora dos sintomas com a terapia comportamental.

Os biotipos também correlacionam-se com diferenças nos sintomas e no desempenho em tarefas. Por exemplo, indivíduos com regiões cognitivas do cérebro superativas apresentaram níveis mais altos de anedonia (incapacidade de sentir prazer) e pior desempenho em tarefas de função executiva.

Avanços e desafios

Essas descobertas fornecem uma compreensão mais profunda das bases neurobiológicas da depressão e ansiedade e podem levar a diagnósticos mais precisos e tratamentos mais personalizados. Contudo, os próprios pesquisadores reconhecem que ainda há um caminho a percorrer até que essas técnicas sejam amplamente aplicadas na prática clínica.

Embora a pesquisa ainda esteja em andamento, os resultados trazem esperança para um futuro em que o tratamento da depressão e da ansiedade será mais preciso e eficaz. Esta pesquisa representa um passo significativo em direção a um futuro em que os tratamentos para depressão e ansiedade sejam ainda mais eficazes e personalizados, reduzindo a necessidade de um processo de tentativa e erro e aumentando as chances de remissão dos pacientes.

Dr Cyro Masci - autor 1
Autor: Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738

Dr. Cyro Masci
CREMESP 39126
Psiquiatra RQE CFM 9738

otorrino em florianopolisAvanço na psiquiatria: identificados 6 tipos de depressão

OUTROS DESTAQUES

Go to Top